Oco

by 7/13/2011 0 comentários
Corpo oco dimana sem qualquer dor.
Ausência de peso faz Ícaro voar.

A celeridade impede o olhar.
Chegamos ao lugar evadido.

Agora o que veremos nem o fechar poderá aliviar.
O compartilhar levado pelo mar, onda não faz voltar.

A vivacidade é delineada pela sórdida individualidade.
Ouso dizer que aquele que crê Deus não vê.

Na queda inconstante da consoante, vogal perdeu acompanhante.
Atraiçoe o pulsante, ao mandante restará endereçar a voluntária solidão.

O alivio desconcertante do silêncio é incapaz de trazer a paz.
Nada adiantará gritar, os ouvidos já estarão corrompidos na imensidão.






SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.