Conto: O despertar

by 5/16/2012 1 comentários
Em toda sua vida, Jesoá nunca teve sequer um dia diferente da rotina. Todos os dias os mesmos pensamentos, mesmos sentimentos, mesmos sofrimentos.

- Quem poderia viver assim? Cogitava seu quase amigo.

- Eu já teria me matado. Respondeu um outro.


Entretanto Jesoá, por incrível que pareça estava acostumado, ele só conhecia este tipo de vida. Sem mulher, filhos ou parentes, pouco via cor no dia a dia. Preto e branco trabalhava como operador de máquina. O que ganhava dava exatamente para seu sustento.

Ele nunca desejou mais. Em um dia não tão belo porém, tudo mudou.

Jesoá estava voltando para casa quando na calçada pisou, sem querer, em um fio de alta tensão desencapado. O choque foi tão grande que foi arremessado duas quadras para frente.

Desacordado, um morador de rua que presenciou o acontecido gritou por ajuda.

- Ajudem aqui, o moço caiu.

Apesar da rua não estar vazia, quem escutaria o pedido de um mendigo?

Ninguém levantou um dedo para ajudar o pobre mendigo ajudar Jesoá. Sem ter o que fazer, o prestativo mendigo voltou ao seu trajeto, deixando o homem eletrocutado estirado no chão.

Jesoá permaneceu lá por mais ou menos cinco horas. Completamente apagado, quase morto só ajudado quando que por acaso passou  um ex-bombeiro no local.

Ao recebeu alta do hospital, Jesoá com o lado esquerdo todo marcado pelas queimaduras, já não era mais o mesmo. Algo havia acontecido, algo fora da rotina, algo totalmente inesperado.

Jesoá podia sentir odores nunca antes sentidos. Seu olfato por algum motivo estava aguçado, agora detinha a mesma capacidade de um cão rastreador.

- Mas o que aconteceu comigo? Tudo está fora da linha... que vontade de... Vontade? O que é vontade? 


E foi somente assim, inspirando que Jesoá finalmente despertou para a vida.



SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.