Nos braços de Morfeu

by 9/03/2012 1 comentários
Quando percebeu que estava próxima do dia em que tudo estaria diferente, anoiteceu.

Como árvore a espera do fruto, ela permaneceu silenciosa.Ninguém julgou haver qualquer coisa fora do comum, os dias passados ocorreram surpreendentemente recolhidos.

O interno não era visto a olho nu, somente os mais cuidadosamente calmos poderiam notar algo no ar.

Quantos passos passaram na sua direção feito máquinas programadas para anda, falar, comer e dormir não exibindo qualquer reação?

Agora toda aquela indiferença estaria por fim terminada, o novo dia se aproximava mais rápido que as batidas das asas do doce beija-flor.

Faltando apenas meia hora para o amanhecer ela,despercebidamente caiu nos braços de Morfeu e mais uma vez por entre os sonhos deixou escapar a incrível transformação.


SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.