O Conto do Amor eterno

by 9/22/2017 0 comentários
Um galho
      como braço te abraço 

 E suas folhas     
não anseiam mais desvendar terra outra 

 Somos presos no infinito perfeito    
aquele que conhece o agora 

 Sentimos tudo  e enquanto    
   tardar o frutificar     
  viveremos entre o prelúdio e o fastígio.


SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.