Sigam-me os Bons ->
Simples,
o tempo percorre sem armadura
sem guarda-chuva
sem abotoadura

Definir quem amar é sem graça
com certeza uma grande desventura tua

Elementar,
o tempo em si é infinito
no restante
lança-se certa temporada

Acumular palavras
reter a prosa do laço que uni todos os lados
sarapantando a benquerença
o olhar aterrissa naquele gélido desapegar

Nada mais para frente
esbarra no sol

No ruir do dia
apenas a sombra tal como companhia

Natural,
o tempo constantemente anseia por melhores histórias

Um passo do abismo
a ponte sempre estará lá.



Aquele tristonho homem, parado em frente a multidão, só conseguia manipular um perfil de pensamento:
- É normal, vez ou outra, ficar descontente com a família. O que causa tamanho desconsolo, tenho certeza, é nada mais que a indiferença...


Em uma certa paróquia, o padre magro e surrado como quem não dormia há dias, começava o sermão:

- Irmãos, São Francisco abriu uma petição e Deus não abriu mão de agraciá-lo, prestem atenção: A partir de hoje quem seu cão abandonar irá reto e direto para o inferno, que Dante chamaria de décimo, e lá permanecerá, sem pausa alguma, aos sons de incisivos latidos... É numeroso o conselho de evitar tal sofrimento imortal...
 

Seus olhos salgados atestavam,
Ela não sobrepôs a mancha obscena daquela noite embarcada no ódio,
afinal qual era o sentido em substituir o tempo amargo quando as horas marcadas no relógio não  mais a realidade correspondiam?
O que remanesceu acomodou-se na perversa montanha russa;
Na descida, sua mente repetia o episódio em alta velocidade, 
na subida sua garganta forçava a verdade para o meio do estômago a todo custo.


O que ele procurava, ela já se desfazia. Como poderiam eles então afeiçoar a rotina?


Aquela hora,
meus olhos, em vão, procuraram  pelos seus ombros,
sapateando no você é quem deveria fazer, asseguraram a ausência. 
Quem são os apontadores,
senão desperdício do que poderiam ser?
Introvertidos, carentes de amor,
Meus filhos, Me perdoem.

Em uma tarde descompensada, ela consciente de que estava para ser ouvida, sussurou em meias palavras:
- De vez em quando, olho para uma porta e vejo um outro tempo.... Tudo parece fazer mais sentido, menos eu mesma...



Fale Comigo

Nome

E-mail *

Mensagem *

Responda Se Puder

Responda Se Puder
Compre e sacuda a mente!

A Cura de Eva

Recado Importante

Todas as frases, contos, poesias, poemas, pensamentos, questionamentos, poesia cantadas e críticas políticas são escritos por Simone Martinelli.

Plágio é para quem não tem cabeça, não plagie pense e escreva por si, você é capaz eu sei.

Conecte-se