Conto filosófico: A Maré

by 9/30/2013 0 comentários
Em um dia nem um pouco como os outros dias, enquanto a tempestade esvaziava-se pelo ar, o jovem navegante copiava todo e qualquer movimento do comandante até perceber o desenlace tortuoso da rota.

- Capitão acredito que fomos surpreendidos, o caminho parece o mesmo.

- Chegador, a rota além de estar correta, não é da sua conta.

- Sei não hein capitão, o ancião do mar sempre dizia:
Marés envoltas em suposta força, enganam marinheiros desatentos.
- O senhor está dizendo que estou desatento? Perguntou enfezado o comandante.



O jovem marinheiro com toda simplicidade que o aprendiz de fogueiro deve ter respondeu:

- Na verdade não estamos todos?

Imagem - http://davidmagila.wordpress.com/

SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.