Confissões da madrugada: A bola

by 10/26/2013 0 comentários
Acordo no meio da noite.

Não faz diferença uma ou quatros horas da manhã.

A brancura encardida do teto, arranca angústias até certo ponto exageradas. 

Forço o sono, contudo a tristeza por agora é como a bola, sem fim.

Ei espera. 

O dia já nasce na janela!


SS Martinelli

S²FM

Pela janela olhei, tulipas não encontrei. Pensei, Filosofei, Bloguei.